Com o calor estendido, dengue avança e cuidados precisam ser mantidos

O combate contra a dengue deve ser levado a sério. De acordo com a Vigilância Epidemiológica de Ibitinga, o outono quente e chuvoso favoreceu a proliferação do mosquito Aedes aegypti. Eliminar a água armazenada em recipientes é a maior arma contra a dengue.

Ibitinga já registra 87 casos da doença e outros 80 pacientes aguardam resultados de exames laboratoriais. Cidades da região enfrentam dados críticos e preocupantes. A vizinha Itápolis, por exemplo, já contabilizou 700 pessoas com dengue.

“Os números em Ibitinga até podem parecer baixo, mas não podemos nos enganar pois a dengue é uma doença série que pode levar à morte. Precisamos lutar contra ela e não deixar esse número subir. Depende de cada um de nós vencer a dengue”, disse Marcio Magliocchi, chefe do controle de endemias.

Os sintomas da dengue são febre alta com início súbito, forte dor de cabeça, dor atrás dos olhos, manchas e erupções na pele, extremo cansaço e moleza, dores nas articulações, náuseas, vômitos, tontura e perda de apetite.

A melhor forma de prevenção é eliminar água armazenada que podem se tornar possíveis criadouros, como em vasos de plantas, galões de água, pneus, garrafas plásticas, piscinas sem uso e sem manutenção, e até mesmo em recipientes pequenos, como tampas de garrafas.

Ações públicas

Limpeza, remoção de entulhos, campanhas de conscientização e visitas técnicas foram intensificadas ao longo dos meses do ano. Em janeiro, como forma de prevenção, a Prefeitura de Ibitinga impulsionou um dos maiores mutirões da limpeza de todos os tempos.

Entretanto, quase 90% dos criadouros do mosquito Aedes aegypti são localizados em imóveis particulares. É por isso que a guerra contra a dengue depende muito da ação de cada família. Que tal aproveitar 30 minutos deste sábado para uma limpeza contra a dengue? #mosquitoNÃO

 

Fonte: Prefeitura de Ibitinga